últimas...

Dias a fio...

Remetente & destinatário....

Without sense...

Laços...

Quando ele chega...

Erg chebbi

Fé de Fez...

Bleu Chefchaouen...

Diário de viagem...

Menina e moça...

um dia..

Abril 2012

Dezembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Junho 2010

Abril 2010

Março 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Sexta-feira, 1 de Junho de 2007

... caminhos

"Vivemos da nossa vida um fragmento tão breve (...) "

Alguém me disse um dia palavras que não esquecerei "pena que só reparamos que a vida é curta quando já ultrapassámos o meio dela"

A certa altura começamos a ter dificuldade de optar, a prestar atenção às ramificações que ficam por percorrer em prol de outros caminhos por que optamos...

Ontem, quis enganar o destino não fiz o caminho habitual para casa, num cruzamento vulgar mudei rumo para uma rua perdida... não seria já esse o meu destino? A sorte... é que todos os caminhos vão dar a roma... e lá regressei a casa sã e salva... Sorte?

"(...).Nós vivemos à superfície de tudo na parte deslizante, a que é facilidade e fuga. O resto prende-se irremediavelmente ao escuro do esquecimento e distracção. Mas há sobretudo a zona incomensurável dos possíveis que não poderemos viver. Porque em cada instante, a cada opção que fazemos, a cada opção que faz o destino por nós, correspondem as inumeráveis opções que nada para nós poderá fazer. Um golpe de sorte ou de azar, o acaso de um encontro, de um lance, de uma falência ou benefício fazem-nos eliminar toda uma rede de caminhos para se percorrer um só. Em cada momento há inúmeros possíveis, favoráveis ou desfavoráveis, diante de nós. Mas é um só o que se escolheu ou nos calhou. Assim durante a vida vão-nos ficando para trás mil soluções que se abandonaram e não poderão jamais fazer parte da nossa vida. Regresso à minha infância e entonteço com as milhentas possibilidades que se me puseram de parte. Regresso à juventude, à idade adulta, ao simples dia de ontem e a infinidade de soluções que não adoptei dava para um mundo de vidas. Foi uma só. Nela realizei, num único percurso, aquilo que constituiu o todo de uma vida humana. E todavia, nessa estreiteza de ser está o infinito de mim"

Vergílio Ferreira, in Conta-Corrente 4

sinto-me: ... a percorrer caminhos
música: I wish I was A Punk Rocker _ Sandy thom

publicado por teetee às 20:48

link do post | comentar | favorito

4 comentários:
De Nuite a 1 de Junho de 2007 às 21:36
E eu faço parte dessa mudança de destino =)
sim ...
tb estava lá ...
e o Audi tb !!!
Beijinhos


De teetee a 2 de Junho de 2007 às 16:48
... o rumo mudámos, o destino também... para pelo menos um dia sorrirmos ao ler e relembrar que o fizémos.. que vamos fazendo uns disparates, uns piquenos disparates que fazem bem á alma e sempre fica mais económico que comprar umas sandaletes novas!

kiss kiss kiss my big big friend


De a 7 de Junho de 2007 às 23:14
A vida é essencialmente um processo de aprendizagem contínuo, e por ser contínuo torna-se, por vezes, difícil identificar os marcos importantes. Esta correria louco do dia a dia consome-nos a atenção para as coisas belas e simples da vida. Quando, por forças exógenas , somos obrigados a parar e olhar para a nossa vida com olhos de ver podemos ser surpreendidos com um tempo que passou sem darmos por isso, sem termos conseguido tirar desse tempo o que ele nos ofereceu, porque estávamos demasiado ocupados em querer ver no escuro, descurando o que o sol põe a nu.


De teetee a 8 de Junho de 2007 às 17:30
Palavras sábias!
.. na verdade vivemos hoje num tempo sem tempo, numa correria desenfreada e incessante pelo amanhã. Se por um lado o Homem tem pressa em viver, em viver pelo amanhã, por outro muitas das suas acções reflectem a angústia do envelhecimento e levam-no a não sentir o presente como um PRESENTE que lhe é oferecido todos os dias!... como é que nunca pensamos nisto? porque é que não nos sentimos felizes só por "estar", só por "ser"?
Talvez por habitarmos este tempo “(…) sem dúvida o nosso tempo prefere a imagem à coisa, a cópia ao original, a representação à realidade, a aparência ao ser…”. Debord, G.


Comentar post

me?

pesquisar

 

Abril 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


links

tags

todas as tags

subscrever feeds