últimas...

A preto e branco...

Tudo se transforma à resp...

um dia..

Abril 2012

Dezembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Junho 2010

Abril 2010

Março 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007


Quarta-feira, 29 de Abril de 2009

A preto e branco...

 

Um cabelo branco

O primeiro por entre os meus cabelos fartos e negros

A evidência do abandono do tempo em que os pés nem tocavam o chão, num corpo para cá e para lá movido por um balancé preso numa ameixeira

Não há regresso

Em breve serão salpicos

 

 

 


publicado por teetee às 19:41

link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito

Sábado, 16 de Fevereiro de 2008

Tudo se transforma à responsabilidade do tempo...

 

Eu que segundo alguém, escrevo "Por vezes de forma completamente hieroglífica, ou com tantos códigos implícitos que se vivêssemos na época da inquisição todos os textos passavam, porque diziam tudo e não diziam nada, referiam-se a todos e não se referiam a nenhuns..."

 

Hoje escrevo...

 

É o tempo o responsável, todos o temos, fazemos dele o que bem queremos sem nos darmos conta que é ele que domina, que é ele que dita as regras e parece tornar banal a nossa existência. Dá com uma mão e tira com a outra...

Um simples compassado tic e tac apaga ou transforma, constroi, termina, abala... seja ele forte ou piano, chega com pés de ladrão, e assim ele passa por caminhos rasgados por passos repetidos naquele mesmo lugar, como os trilhos que vão ficando marcados no nosso rosto a que chamamos simpaticamente "rugas de expressão", pegadas que denúnciam hábitos, que condenam a leitura da contagem dos anos, provam a passagem abrupta dos dias de que nos lamentamos ou pretendemos tornar eternos...

Tudo muda quando alguém nos diz "estás na mesma", quando ouvimos com atenção aquela canção, quando recordamos a cristaleira da casa dos avós, quando nos ouvimos dizer "socorro! chamaram-me senhora"  e nos encontramos com uma camisola desbotada.

Já nada importa, as pieguices tornam-se fúteis, a partir desse dia, que não tardará em chegar, engulimos os dias inúteis e passamos a viver avidamente, engomando os episódios amarrotados, dando-lhe um valor que outrora não mereceram, olhando-os como dragões que vencemos e nos tornaram mais fortes.

Do vazio fazemos o espaço mais ocupado, dizê-mo-lo, com autoridade, um lugar nosso, esquecemos a culpa fintando-a com cremes anti-rugas.

Ganhamos a ambiguidade de olhar o futuro com desdém e como um tesouro que pretendemos encontrar, de olhar o passado que desejamos apagar e tornar menos longo e como uma relíquia, uma feia jóia de família valorizada pelo tempo. 

Sentimos um buraco no peito!

 

 

 

Tempo... continuo a querer-te!

música: Jorge Palma - A Gente Vai Continuar
tags:

publicado por teetee às 10:56

link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

Escuta ...


MusicPlaylist
Music Playlist at MixPod.com

Truz Truz...

Free Hit Counters
Free Counter

me?

pesquisar

 

Abril 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


links

tags

todas as tags

subscrever feeds