últimas...

Dias a fio...

Remetente & destinatário....

Without sense...

Laços...

Quando ele chega...

Erg chebbi

Fé de Fez...

Bleu Chefchaouen...

Diário de viagem...

Menina e moça...

um dia..

Abril 2012

Dezembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Junho 2010

Abril 2010

Março 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Sábado, 25 de Agosto de 2007

Outono.. sinto-te na pele

 

 

Fecho a porta de casa e sinto a pele fria, a sensação de saudades que só o Outono nos oferece, a sensação de que uma nova estação virá... a espera das pantufas, o aquecedor e aquele chá quentinho que aquece até a alma e nos faz sonhar e desejar os dias quentes e solarentos...

... é quase tempo de descascar e saborear uma laranja ao sol.. sentar no chão, num banco velhinho que o tio Chico deixou para nós e recostar na parede branca pintada pela claridade do sol.

É esse o tempo de recordar, de arrumar, de (re)sentir tudo o que o verão nos deixou, de voltar a olhar as chamas da lareira e ficar... ficar... de olhos fechados!

É tempo de suceder e anteceder, de desacelerar a correria desenfreada e incessante pelo amanhã...

... É tempo de "Guardar só aquilo que é bom de guardar"  de abraçar tudo o que o tempo nos deu

... É tempo de não fugir a sete pés desta estação que nos permite o encontro connosco, do silêncio que aí reside, do eco que nos leva a olhar para dentro e nos confronta com os meios, as duvidas, as angustias e também as certezas e as convicções mais profundas...

 

 

 

OUTONO! Espero por ti!!!!

 

 

"Mas é preciso morrer e nascer de novo

Semear no pó e voltar a colher

Há que ser trigo, depois ser restolho

Há que penar para aprender a viver"  Mafalda Veiga

 

sinto-me: Na estrada do Outono
tags:

publicado por teetee às 18:37

link do post | comentar | ver comentários (7) | favorito

Domingo, 19 de Agosto de 2007

...

 

"Quando estiveres velho e cansado

As mãos enrugadas e trémulas

E sentires os olhos a fecharem...

Lembra-te daqueles que te amaram e por ti passaram

Lembra-te de como crianças nos rimos e como adultos chorámos

E, quanto mais sentires os olhos a fecharem...

Lembra-te...

Nem sempre foste fácil

Tu bem sabes...

Nem sempre te compreendi

Eu bem sei...

Nem sempre fui fácil

Eu bem sei...

Nem sempre me compreendeste

tu bem sabes...

Agora sei quem sou

Sou pouco mas sei muito

Agora sei as coisas como são

Aprendi contigo! Aprendi com a ternura do teu olhar de todas as cores e sem nenhum horizonte

Contigo aprendi!

Só agora me dou conta

Como o tempo passou

Como gosto de ti

Como estou a sentir falta

Voo para o futuro à procura do passado

De um presente que ainda agora vivi

Como gosto de ti!

Dor, mágoa, tristeza...

É o que sinto

Quando estou longe e perto de ti

Dor do meu amor

Mágoa da tua indiferença

Tristeza...

Pureza, amizade, saudade

É o que sinto quando estou perto e longe de ti...

Pureza do teu ser

Amizade do nosso viver

Saudade...

Tão mal nos faz ver alguém

Tirar proveito de algo que deveria ser nosso

Não desacreditei porque não me esqueci

Nem do sonho

Nem de ti!

Talvez daqui a uns anos

A saudade não seja uma ferida aberta

E mesmo as recordações mais euforicamente alegres

Serão tristes..

E mesmo as recordações mais euforicamente tristes

Serão indiferentes...

E quando finalmente fechares os olhos

E deres o teu último suspiro

Ouvirás a minha voz amiga, mesmo sem estar presente

A dizer: amei-te eternamente!"

 

                                                                 Manuel Bandeira

 

 

sinto-me: Amor, Resposta, Ti
música: Queen - Love of my Life

publicado por teetee às 12:39

link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito

Quarta-feira, 15 de Agosto de 2007

A todos aqueles que desacreditaram e pensam amar com cautela.. que simplesmente não amam..

" Parece-me que já ninguém se apaixona de verdade. Já ninguém quer viver um amor impossível. Já ninguém aceita amar sem uma razão.

Hoje as pessoas apaixonam-se por uma questão de prática. Porque dá jeito. Porque são colegas e estão ali mesmo ao lado. Porque se dão bem e não se chateiam muito. Porque faz sentido. Por causa da casa e das contas da lavandaria.

Hoje em dia as pessoas fazem contratos pré-nupciais, discutem tudo de antemão, fazem planos e à mínima merdinha entram logo em «diálogo». O amor passou a ser passível de ser combinado. Os amantes tornam-se sócios. reunem-se, discutem problemas e tomam decisões.

A paixão. que devia ser desmedida, é na medida do possível. O amor tornou-se uma questão prática.

O resultado é que as pessoas, em vez de se apaixonarem de verdade, ficam «praticamente» apaixonadas.

Eu quero fazer o elogio ao amor puro e duro, ao amor cego, ao amor estúpido, ao amor doente, ao único amor verdadeiro que há.

Nunca vi namorados tão embrutecidos, tão coberdes e tão comodistas como os de hoje. Incapazes de um gesto largo, de correr um risco, de um rasgo de ousadia, são uma raça de telefoneiros, malta do « tá bem, tudo bem», tomadores de bicas, alcançadores de compromissos, banancices, matadores do romance, romanticidas!

Já ninguém se apaixona? Já ninguém aceita a paixão pura, a saudade sem fim, a tristeza, o desequilíbrio, o medo, o custo, o amor, a doença que é como um cancro a comer-nos o coração e que nos canta no peito ao mesmo tempo?

O amor é uma coisa, a vida é outra.

O amor não é para ser uma judinha. Não é para ser o alívio, o repouso, o intervalo, a pancadinha nas costas, o pronto-socorro da tortuosa estrada da vida, o nosso «jeitinho sentimental»!

Odeio esta mania contemporânea por sopas e descanso. Odeio os novos casalinhos.

Por onde quer que se olhe, já não se vê romance, gritaria, maluquice, facada, abraços, flores. O amor fechou a loja, foi trespassada ao pessoal da pantufa e da serenidade.

Amor é amor! é essa beleza, é esse perigo!

A vida às vezes mata o amor. A vidinha é uma convivência assassina!

O amor puro não é um meio, não é um fim, não é um princípio, não é um destino. O amor puro é uma condição!

O amor não se percebe. Não é para perceber. O amor é um estado de quem se sente.

O amor é a nossa alma. è a nossa alma a desatar. A desatar a correr atrás do que não sabe, não apanha, não larga, não comprende.

O amor é uma verdade. è por isso que a lusão é necessária. A ilusão é bonita, não faz mal. Que se invente e minta e sonhe o que quiser.

O amor é uma coisa, a vida é outra.

A realidade pode matar, o amor é mais bonito que a vida. A vida que se lixe. Num momento, num olhar. O coração apanha-se para sempre. Ama-se alguém. Por muito longe, por muito difícil, por muito desesperadamente. O coração guarda o que se nos escapa das mãos. E durante o dia e durante a vida, quando não está lá quem se ama, não é ela que nos acompanha - é o nosso amor, o amor que se lhe tem.

Não é para se perceber. É sinal de amor puro não se perceber, amar e não se ter, querer e não guardar a esperança, doer sem ficar magoado, viver sozinho, triste, mas mais acompanhado de quem vive feliz.

Não se pode ceder. Não se pode resistir.

A vida é uma coisa, o amor é outra.

A vida dura a vida inteira, o amor não.

Só um mundo de amor pode durar a vida inteira. E valê-la também"

 

Miguel Sousa Tavares. (Obrigado a quem partilhou este texto fantástico comigo)

 

 

música: Elvis Presley - Unchained Melody
tags:

publicado por teetee às 11:37

link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito

Sexta-feira, 10 de Agosto de 2007

Numa folha qualquer, com lápis de cor... pinto

... o meu castelo com janelas viradas para o rio,

Apago as paredes mal caiadas e os cães que ladram ao abrir de uma porta e faço crescer um pé de feijão que me leva onde quero estar e quase me deixa sentir a que sabe a lua!

Com o roxo eu pinto um baguinho de uva, com o preto e branco as pedras da rua..

O sol é amarelo, azul é o mar, aqui onde quero ficar, rosa e laranja os sonhos que vão chegar!

Aqui, no alto da montanha, pertinho lá do céu pinto um castelinho onde um dia um rei viveu... Daqui se vê o céu, ao longe o mar.. quem me dera aqui morar!

 

 

"Com cinco ou seis rectas é fácil fazer um castelo (...).

Giro um simples compasso e num circulo eu faço o mundo. E ali logo em frente a esperar pela gente o futuro estar. E o futuro é uma astronave que tentamos pilotar. Não tem tempo nem piedade, nem hora de chegar, sem pedir licença muda a nossa vida e depois convida a rir ou chorar. Nessa estrada, não nos cabe conhecer ou ver o que virá, o fim dela ninguém sabe bem ao certo onde vai dar" Toquinho

 


http://www.laboratoriodedesenhos.com.br/aquarela.htm

sinto-me: Miró
música: Aquarela

publicado por teetee às 23:38

link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito

Escuta ...


MusicPlaylist
Music Playlist at MixPod.com

Truz Truz...

Free Hit Counters
Free Counter

me?

pesquisar

 

Abril 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


links

tags

todas as tags

subscrever feeds